Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Da brincadeira de escolinha à licenciatura em pedagogia

Publicado: Quarta, 10 de Março de 2021, 20h01 | Última atualização em Sexta, 12 de Março de 2021, 19h35

Na sala de aula, a filha recém-nascida no colo foi, por muito tempo, a principal companhia de Rosilene ao ir de Serra do Navio para Pedra Branca do Amapari em busca de seu objetivo, que era concluir o nível superior. O curso escolhido? Licenciatura em Pedagogia. A menina que brincava de escolinha, ensinando os amigos a ler e escrever, agora estava ali vendo, já quase adulta, seu sonho sendo materializado no mundo real. Esse e outros momentos de superação são narrados por ela neste quinto relato da série "História de vida de mulheres do Amapá: lembrar, contar e resistir”.


Meu nome é Rosilene Vinhas Bandeira Silva e tenho 31 anos. Minha história começou quando, ainda na infância, sonhava em ser professora. Ensinava meus amigos a ler e escrever, brincando de escolinha. Sou de família pobre, meus pais são analfabetos e não possuíam condição alguma de pagar uma faculdade para mim em Santana, onde eu morava. Passei muita dificuldade com minha família.

Aos 15 anos, tive minha primeira filha e aos 17 tive minha segunda filha, cada uma de um pai. Mesmo com toda a dificuldade em ter que levar minha filha para a escola, não desisti de meus estudos, pois ainda existia um sonho na minha vida. Hoje moro em Serra do Navio, sou casada com um terceiro marido, já tenho quatro filhos e em 2018 fiz um processo seletivo e fui aprovada no curso de Licenciatura em Pedagogia, já grávida do meu quarto filho.

No meu primeiro dia de aula, lembro como se fosse hoje, eu estava de resguardo. Fui para Pedra Branca do Amapari enfrentando muita chuva, a quase 20 km de onde eu moro, e assim foi minha rotina nas aulas – ia pra estudar e precisava levar minha filha recém-nascida.

Em 2019, passei em outro processo seletivo para o curso Técnico em Administração. Todas as aulas eram uma aventura para mim, pois quando encerrava elas terminavam eu ficava na parada de ônibus e, por muitas vezes, cheguei em casa 1h da madrugada. Hoje sou acadêmica de Licenciatura em Pedagogia, cursando o quinto semestre e já encerrado o curso técnico.

Essa foto simboliza uma nova história para mim, pois hoje eu consigo ver a realização do meu sonho. Lembro que, nesse dia, pedi para professora Natália bater uma foto comigo, pois disse ao professor que estava me atendendo que um dia iria ser igual a ela, ser professora, saber ser psicóloga, saber Libras, saber um pouco de tudo na área educacional. Hoje entendo que estou quase lá.        

 

Diretoria de Comunicação - Dicom
Instituto Federal do Amapá (Ifap)
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
Twitter: @ifap_oficial
Facebook:/institutofederaldoamapa

registrado em:
Fim do conteúdo da página